Perversões

Livro-usado.jpg
Livro usado

Comprei mais um livro e cobicei uma mulher casada. Pecados mortais que apenas desgastam. Os livros, esses pequenos animais domésticos, são como jovens putinhas ou curiosas novidades. Após consumidos até à última frase, para ali ficam esquecidos. Reler um livro é raro, no entanto, volta e meia lá o temos novamente ao colo.

Ler Mais
Joaquina.jpg
Vizinha Joaquina

Cresci no centro da antiga cidade. Rodeado por muralhas e ruas calcetadas em estilo romano. Não com a geometria perfeita da calçada portuguesa mas sim a organização caótica de rochas lisas, plantadas no chão, ocupando o seu espaço sem pretenderem pertencer ao Todo.

Ler Mais
FullSizeRender.jpg
Triângulo

Vértice 1 As ruas são planas e limpas. O frio não se sente como se sentia ontem. Hoje, nesta tarde de Setembro, carrego a bússola que me ajudará a chegar sua casa. Uma medusa de cabelos loiros, semelhante a pequenas serpentes albinas com olhar atrevido. Perco-me numa das ruas sem saída, questiono um jovem cavaleiro que por ali encontro onde é a morada que esta medusa me forneceu.

Ler Mais
Mendigo.jpg
Mendigo de olhos verdes

Os seus olhos verdes iluminavam o bairro. Os dias nas ruas eram bastante solitários e a cama construída com velhos cartões e alguns lençóis que foi recolhendo de contentores de lixo era ingrata e penosa. As horas eram longas durante a noite, principalmente no inverno, quando o frio teimava em fazer-lhe companhia.

Ler Mais
Johan-kauppinen.jpg
Sobre a consciência das coisas

Existem duas luas, uma com tons vermelhos - lama que cobre o astro num eterno sangrar - e a outra, a mais pequena, branca e virginal como uma pérola celeste. Todos somos feitos da mesma matéria merdosa que compõe o universo. A vida consiste em viajar por ele à velocidade do nosso planeta - que vertigem de tempo e espaço - e sofregamente aguardar pelo fim do processo da célula que nasce e morre.

Ler Mais
Anonimos.jpg
Anónimos

Sentados em círculo aguardávamos. Em silêncio, ou em conversas murmuradas, tentávamos esconder a vergonha e a insegurança que nos levou até ali. Quatro mulheres, sentadas e intercaladas por quatro homens. Do meu lado esquerdo uma loira vistosa. Quarenta anos vividos. Aliás, todos nós éramos vividos e penitentes no mundo da perversão e promiscuidade caso contrário, não estaríamos reunidos como quem aguarda julgamento.

Ler Mais
FullSizeRender.jpg
Nesta idade

É nesta idade que as cores perdem a vivacidade e ganham um sabor e texturas nunca antes sentidas. É nesta idade que as perdas são sentidas como oportunidades de mudança, seja esta desejada ou não. Nesta idade há mais perversão e o Amor é uma ideia tão linda (ou um mafarrico pequenino e difícil de apanhar). Ontem, quando ainda estava um calor de derreter rocha, conduzia perto do Cais do Sodré em frente ao Mercado da Ribeira. Abrandei para uma menina atravessar a estrada.

Ler Mais
Sem-titulo-II.jpg
Sem título II

É difícil não ceder à tentação – pensou ele quando numa proposta direta, fria e sem espinhas, ela insinuou que queria por ele ser possuída. O peso sobre os seus ombros fez se sentir quando, no leve movimento de língua, ela saboreou o momento que poderia advir desta nova aventura. Claramente era uma leoa assanhada em fértil período de perversão.

Ler Mais
Encontro.jpg
Encontro cego

Foi com a vontade de nos apaixonar que combinamos encontrar-nos em Buenos Aires. Eu cheguei primeiro. Ele estava atrasado. Sei que o trânsito nesta cidade torna-se um pesadelo, principalmente nas sextas feiras por volta da hora do jantar. Não somos apologistas de encontros cegos, no entanto, todos os encontros são cegos e assim aconteceu.

Ler Mais
FullSizeRender.jpg
Mulheres e caudas

Esperava por elas na esplanada. Ali mesmo perto da Feira da ladra, no Jardim de Santa Clara. A primeira a chegar é Dalila. Apesar de a conhecer desde sempre, sinto que cada vez que a vejo descubro algo novo. Seja um recente cabelo branco que descansa sobre a testa, ou uma opinião descabida sobre um assunto que à partida pensei que estaríamos de acordo.

Ler Mais