Perversões

António, O Lobo
Podcast

No passado domingo, na Casa do Alentejo, o baile não era temático mas, por falta de motivo melhor, as velhotas embonecaram-se e algumas levaram as netinhas como companhia. Cidália era uma conhecida de António, e a neta, uma boneca de 27 anos acompanhou-a. Quando entrou no salão de baile com a avó, já António bebericava um tinto e quase se engasgou. Aquele golo de vinho não foi de beber, foi de comer, como se algo lhe entrasse pela guela sem ter sido mastigado.

Ler Mais
Mudo.jpg
Mudo

Foi semelhante à primeira vez que assisti ao nascer do dia. Na inocência de quem pouco viveu, tudo parece bastante brilhante, e os sons são tão nítidos e puros que quase que podemos jurar que o Paraíso é isto. Recordo-me perfeitamente.

Primeiro um ombro, uma alça que cai e o seio desnudo exibe-se. Muito tímido, mas seguro da sua beleza. Os meus olhos apenas brilhavam esperançosos. Aquela esperança que as crianças cultivam até que a vida lhe dá um pontapé bem assente na Alma ou na Honra.

Recordo-me perfeitamente.

Ler Mais
A_ultima_ultima_vez.jpg
A última última vez
Podcast

Havia um aguaceiro no seu olhar e um sabor acre nos lábios, como se tivesse feito uma direta e o fígado gritasse por auxílio; as despedidas costumam ter este tipo de efeitos secundários. Nunca havíamos dado as mãos, mas naquela tarde, soubemos que seria o primeiro entrelaçar de dedos. A sombra das nuvens invadia a cidade como uma aguarela e havia o som de folhas de árvores no vento.

Ler Mais
Ines.jpg
Inês

Faz bastante tempo que não preencho o branco das folhas. Histórias que, por malícia ou malandragem, afirmo serem fantasia e, num sorriso mais amarelo, lá me descaiu e o mundo percebe que o rei vai nú.

Ler Mais
jaime_ruela.jpg
Alexandre (O grande)

Pedi-lhe para contar a melhor história que tivesse vivido, Alexandre sorriu e sentou-se à minha frente.

- Quero que me contes todos os detalhes, quero escrever essa história.

- Oh filho, tenho tantas, não terás cabeça para as decorar, nem dedos para as escrever - disse-me, troçando da minha curiosidade.

Ler Mais
funeraria.jpg
Funerária

A vida vai passando a cada final de semana na rua de Sant’ana; perto da Ginjinha, há quem venda feijões, sapatos em segunda mão (segundo pé), lâminas de barbear e outros bens que tais.

Num restaurante tradicional sentei-me, pedi um bitoque com ovo estrelado. Ainda sentia a ressaca da noite anterior. Havia estado com Ela na Mouraria até perto das 4 da manhã. Bebemos cerveja, vinho e o resto nem me lembro. Havia um daqueles artistas que tocam teclado, cantam e fazem o pino. As vidas manifestavam-se. As pessoas sorriam, abraçavam-se e dançavam. Também nós o fizemos. A ultima imperial nem a pagámos. Já se queimavam os últimos cartuchos e a banca das jolas já se preparava para fechar.

Ler Mais
no_elevador.jpg
No elevador

Há mulheres que nos fazem sentir fracos. Vidro frágil que ao olhar mais penetrante estala. Essas são as minhas preferidas. Não há nada como sentir-me pequeno e fraco, rodeado por rochedos confiantes de beleza inigualável.

Ler Mais
IMG_5715_1.jpg
A tusa

Resolvi ir até à praia. É bom viver num país perto do Oceano. Imagino toda aquela malta que, por infelicidade geográfica - e genética - resolveu nascer naqueles num daqueles países emboscados por nações vizinhas -, pedaços de terra rodeados de terra por todos os lados - e demoram dias de viagem até poderem vislumbrar o Mar. Na praia onde estendi a toalha um grupo de cachopos brincava. Deviam ter entre os 5 e os 7 anos no máximo. Deliravam com a areia.

Ler Mais
silencio.jpg
Silêncio

O aroma que se sentia no quarto recordava-o da casa onde crescera. Não era agradável. Era o cheiro de ensopado de borrego, carregado de cravinho, tal como ditava a receita da avó. A família reunia-se em volta da mesa de madeira e todos falavam ao mesmo tempo. Ele escrevia numa folha branca, todo aquele tempo que separa a memória do presente. Sem qualquer ambição de escritor profissional, definhava na ânsia de fazer o tempo parar. Ao menos que abrande, pensava...

Ler Mais
FullSizeRender.jpg
Entre sonhos

A roupa da cama desalinhada. Os livros abertos, com paginas dobradas, perdidos no sofá da sala. Jaime dorme; suave e confortável como claras de ovos em castelo. Nesse grande desfiladeiro da fantasia - o sonho - as estrelas parecem traços de luz que indicam o caminho, a velocidade é vertiginosa e o sentimento de queda é constante. Jaime move-se, troca de posição na cama procurando o conforto típico de quem aguarda nascer.

Ler Mais