Filtros

Perversões

jaime_ruela.jpg
Alexandre (O grande)

Pedi-lhe para contar a melhor história que tivesse vivido, Alexandre sorriu e sentou-se à minha frente.

- Quero que me contes todos os detalhes, quero escrever essa história.

- Oh filho, tenho tantas, não terás cabeça para as decorar, nem dedos para as escrever - disse-me, troçando da minha curiosidade.

Ler Mais
funeraria.jpg
Funerária

A vida vai passando a cada final de semana na rua de Sant’ana; perto da Ginjinha, há quem venda feijões, sapatos em segunda mão (segundo pé), lâminas de barbear e outros bens que tais.

Num restaurante tradicional sentei-me, pedi um bitoque com ovo estrelado. Ainda sentia a ressaca da noite anterior. Havia estado com Ela na Mouraria até perto das 4 da manhã. Bebemos cerveja, vinho e o resto nem me lembro. Havia um daqueles artistas que tocam teclado, cantam e fazem o pino. As vidas manifestavam-se. As pessoas sorriam, abraçavam-se e dançavam. Também nós o fizemos. A ultima imperial nem a pagámos. Já se queimavam os últimos cartuchos e a banca das jolas já se preparava para fechar.

Ler Mais
no_elevador.jpg
No elevador

Há mulheres que nos fazem sentir fracos. Vidro frágil que ao olhar mais penetrante estala. Essas são as minhas preferidas. Não há nada como sentir-me pequeno e fraco, rodeado por rochedos confiantes de beleza inigualável.

Ler Mais
IMG_5715_1.jpg
A tusa

Resolvi ir até à praia. É bom viver num país perto do Oceano. Imagino toda aquela malta que, por infelicidade geográfica - e genética - resolveu nascer naqueles num daqueles países emboscados por nações vizinhas -, pedaços de terra rodeados de terra por todos os lados - e demoram dias de viagem até poderem vislumbrar o Mar. Na praia onde estendi a toalha um grupo de cachopos brincava. Deviam ter entre os 5 e os 7 anos no máximo. Deliravam com a areia.

Ler Mais
silencio.jpg
Silêncio

O aroma que se sentia no quarto recordava-o da casa onde crescera. Não era agradável. Era o cheiro de ensopado de borrego, carregado de cravinho, tal como ditava a receita da avó. A família reunia-se em volta da mesa de madeira e todos falavam ao mesmo tempo. Ele escrevia numa folha branca, todo aquele tempo que separa a memória do presente. Sem qualquer ambição de escritor profissional, definhava na ânsia de fazer o tempo parar. Ao menos que abrande, pensava...

Ler Mais
FullSizeRender.jpg
Entre sonhos

A roupa da cama desalinhada. Os livros abertos, com paginas dobradas, perdidos no sofá da sala. Jaime dorme; suave e confortável como claras de ovos em castelo. Nesse grande desfiladeiro da fantasia - o sonho - as estrelas parecem traços de luz que indicam o caminho, a velocidade é vertiginosa e o sentimento de queda é constante. Jaime move-se, troca de posição na cama procurando o conforto típico de quem aguarda nascer.

Ler Mais
2012-03-06_11.35.13.jpg
O Homem espacial

Para ele o universo cabia numa casca de noz. Condensado em lagrimas de estrelas e cometas, assim o tempo fluía. Tempo... um luxo do qual ele não poderia usufruir pois a sentença - mortal - havia chegado quando ainda era um jovem cheio de força na verga. Anos, horas e minutos estavam contados. Não em pequenos grãos de areia mas sim em estrelas cadentes que marcavam o seu destino, um breve instante no cosmos intemporal. O juiz - aquele que dita a Vida - havia sido peremptório, não havia matemática capaz de o salvar.

Ler Mais
Perderme.jpg
Na eventualidade de perder-Me

É ingrato pensar que na eventualidade de perder-Me, dificilmente terei a consciência de tal desgraça. Essa possibilidade assusta-me, ao ponto de duvidar da vida. Não da vida como existência, mas sim da Vida, aquela que tem luzes brilhantes e pequenas faíscas nos olhos. Na eventualidade de perder-Me, espalharei pedaços de pão pelo caminho, na esperança de que a Fome seja fraca e não o consuma. Triste desejo, no mundo onde ela arreganha os dentes a gotas de sangue e pequenos restos de pele morta.

Ler Mais
outono.jpg
Outono

Quando o avião partiu, todos os que observávamos a lenta marcha dos nossos amores, até à ave de metal, voltámos costas com um sentimento de desolação. Inevitavelmente assim aconteceu. Mesmo antes de ela partir já os pássaros nómadas haviam abandonado os ninhos; as árvores despiram-se das velhas folhas castanhas e o rio secou. As águias, haviam arrancado o bico e as unhas e aguardavam, em sofrimento, o rejuvenescimento.

Ler Mais
Bixofeio.jpg
Bicho feio (tributo a Kafka)

- Perante as provas apresentadas, não tenho outra solução senão condená-lo ao cárcere... eterno - e as 3 pancadas soaram na sala onde o suspiro do condenado não foi sentido. Foi assim que começou.

Ler Mais